Atividade Sexual


A descoberta da doença gera um impacto importante na vida do paciente, afinal, são vários os medos e angústias que podem surgir neste momento. O tratamento pode interferir inclusive na vida sexual do paciente, pois dependendo da terapia utilizada, como a quimioterapia ou até mesmo cirurgias, mudanças físicas podem acontecer, dentre elas perda de cabelos, novas cicatrizes pelo corpo e até mesmo secura vaginal. Sem contar o mal-estar, com fortes enjoos e cansaço, que definitivamente não são nada animadores.

Dessa maneira existem uma série de fatores no tratamento do câncer que podem afetar o desejo e desempenho sexual. A falta de desejo tanto do homem quanto da mulher é um deles. Pode acontecer durante o tratamento do câncer, ou pelo menos por um determinado período de tempo. Em primeiro lugar, a preocupação pela sobrevida é tão grande que o sexo pode não ser uma prioridade. Quando se encontram em tratamento, as pacientes podem perder o desejo devido a fadiga, depressão, náusea, dor ou preocupação. Tratamentos que alteram o equilíbrio hormonal normal também podem diminuir o desejo sexual.

A dor é outro problema comum nas mulheres durante a penetração vaginal. Muitas vezes está relacionada as alterações nos tecidos vaginais e à intensidade da secura vaginal. Estas mudanças podem ocorrer após cirurgia pélvica, radioterapia, menopausa ou algum tipo de tratamento que tenha afetado a produção de hormônios da mulher. Às vezes a dor desencadeia uma alteração denominada vaginismo. Nesse caso, a mulher tem os músculos ao redor da abertura da vagina rígidos sem que ela mesma saiba. Isso dificulta a penetração vaginal. Tentar penetrar com mais força aumenta a dor, porque os músculos vaginais se contraem em um espasmo. O vaginismo pode ser tratado com psicoterapia e algum treinamento especial de relaxamento.

Outra forma frequente em que o tratamento pode afetar a vida sexual de uma mulher é a menopausa antes do esperado, o que é denominado menopausa precoce. Os sintomas são mais abruptos e intensos do que as alterações paulatinas que acontecem durante a menopausa natural. Quando os ovários de uma mulher são removidos como parte do tratamento do câncer, ou quando os ovários param de funcionar por causa da quimioterapia ou radioterapia pélvica, a perda de estrogênio pode causar ondas de calor e atrofia vaginal (vagina rígida e seca). Algumas mulheres podem fazer reposição hormonal para ajudar com estes problemas.

De modo geral, as relações sexuais não estão proibidas durante o tratamento a não ser que esta seja uma prescrição médica. Mas alguns cuidados são importantes.

Durante o tratamento com quimioterapia ou radioterapia, deve-se evitar a gravidez, pois o feto pode ser agredido. Converse com seu médico para saber qual o melhor método contraceptivo.

Homens em tratamento também devem evitar ter filhos, portanto o uso de camisinha é essencial.

O uso da camisinha é essencial também enquanto o paciente estiver com a imunidade baixa. É possível que algumas infecções sejam transmitidas na hora do sexo, e a pessoa em tratamento não pode se arriscar.

Para aliviar a falta de lubrificação da vagina, existem diversos hidratantes e lubrificantes naturais. Converse com o médico e veja qual o melhor para você. Testar diferentes posições também pode tornar o momento mais íntimo e agradável.

Como muito se fala por aí, as preliminares muitas vezes são consideradas até melhores que o ato sexual em si. Então abuse dos carinhos, faça uma boa massagem. Curta e se entregue neste momento a dois.

Evitar a preocupação com orgasmo pois essa pressão atrapalha o desempenho e prazer.

Atividade Sexual


A descoberta da doença gera um impacto importante na vida do paciente, afinal, são vários os medos e angústias que podem surgir neste momento. O tratamento pode interferir inclusive na vida sexual do paciente, pois dependendo da terapia utilizada, como a quimioterapia ou até mesmo cirurgias, mudanças físicas podem acontecer, dentre elas perda de cabelos, novas cicatrizes pelo corpo e até mesmo secura vaginal. Sem contar o mal-estar, com fortes enjoos e cansaço, que definitivamente não são nada animadores.

Dessa maneira existem uma série de fatores no tratamento do câncer que podem afetar o desejo e desempenho sexual. A falta de desejo tanto do homem quanto da mulher é um deles. Pode acontecer durante o tratamento do câncer, ou pelo menos por um determinado período de tempo. Em primeiro lugar, a preocupação pela sobrevida é tão grande que o sexo pode não ser uma prioridade. Quando se encontram em tratamento, as pacientes podem perder o desejo devido a fadiga, depressão, náusea, dor ou preocupação. Tratamentos que alteram o equilíbrio hormonal normal também podem diminuir o desejo sexual.

A dor é outro problema comum nas mulheres durante a penetração vaginal. Muitas vezes está relacionada as alterações nos tecidos vaginais e à intensidade da secura vaginal. Estas mudanças podem ocorrer após cirurgia pélvica, radioterapia, menopausa ou algum tipo de tratamento que tenha afetado a produção de hormônios da mulher. Às vezes a dor desencadeia uma alteração denominada vaginismo. Nesse caso, a mulher tem os músculos ao redor da abertura da vagina rígidos sem que ela mesma saiba. Isso dificulta a penetração vaginal. Tentar penetrar com mais força aumenta a dor, porque os músculos vaginais se contraem em um espasmo. O vaginismo pode ser tratado com psicoterapia e algum treinamento especial de relaxamento.

Outra forma frequente em que o tratamento pode afetar a vida sexual de uma mulher é a menopausa antes do esperado, o que é denominado menopausa precoce. Os sintomas são mais abruptos e intensos do que as alterações paulatinas que acontecem durante a menopausa natural. Quando os ovários de uma mulher são removidos como parte do tratamento do câncer, ou quando os ovários param de funcionar por causa da quimioterapia ou radioterapia pélvica, a perda de estrogênio pode causar ondas de calor e atrofia vaginal (vagina rígida e seca). Algumas mulheres podem fazer reposição hormonal para ajudar com estes problemas.

De modo geral, as relações sexuais não estão proibidas durante o tratamento a não ser que esta seja uma prescrição médica. Mas alguns cuidados são importantes.

Durante o tratamento com quimioterapia ou radioterapia, deve-se evitar a gravidez, pois o feto pode ser agredido. Converse com seu médico para saber qual o melhor método contraceptivo.

Homens em tratamento também devem evitar ter filhos, portanto o uso de camisinha é essencial.

O uso da camisinha é essencial também enquanto o paciente estiver com a imunidade baixa. É possível que algumas infecções sejam transmitidas na hora do sexo, e a pessoa em tratamento não pode se arriscar.

Para aliviar a falta de lubrificação da vagina, existem diversos hidratantes e lubrificantes naturais. Converse com o médico e veja qual o melhor para você. Testar diferentes posições também pode tornar o momento mais íntimo e agradável.

Como muito se fala por aí, as preliminares muitas vezes são consideradas até melhores que o ato sexual em si. Então abuse dos carinhos, faça uma boa massagem. Curta e se entregue neste momento a dois.

Evitar a preocupação com orgasmo pois essa pressão atrapalha o desempenho e prazer.

Direito dos pacientes com câncer

pas_ico1pas_ico1s
pas_ico2pas_ico2s
pas_ico3pas_ico3s
pas_ico4pas_ico4s
pas_ico5pas_ico5s
pas_ico6pas_ico6s
pas_ico7pas_ico7s
pas_ico8pas_ico8s

Informações aos pacientes

pas_inf_ico1pas_inf_ico1s
pas_inf_ico2spas_inf_ico2s
pas_inf_ico3pas_inf_ico3s
pas_inf_ico4pas_inf_ico4s

Depoimento de alguns de nossos pacientes

  • Dr. Nicolas, meu agradecimento ao senhor pelo carinho que tens com seus pacientes. Agradeço pela notícia de eu estar com alta.
    Anônimo
  • Uma pessoa maravilhosa que sabe tratar e respeitar os seus pacientes.
    Dila Osvaldo Prado Almeida
  • Deus lhe de muita saúde para que possas continuar cuidando de tantas outras pessoas com o seu carinho que é tão importante nesse momento em que ficamos frágeis.
    Valdeliria Olivia Duranti
Free WordPress Themes, Free Android Games